terça-feira, dezembro 12, 2017

SOMENTE SWIFT SALVA

Lemuel Gulliver voltou para a Inglaterra e foi morar num estábulo, com os cavalos, porque a companhia de seres humanos ficou insuportável ao marinheiro poliglota.

Se você acha que conhece aquela "historinha" das viagens de Gulliver, saiba o seguinte:

é um romance de sátira, e suas versões infantojuvenis castram a obra, rasgando as três partes seguintes, mais fortes e ainda mais interessantes;

existe uma maravilhosa paródia, em quadrinhos, feita pelo mago do desenho Milo Manara: intitula-se Gullivera, e somente pessoas divinas abençoadas dispõem de materiais assim;

Swift é foda pra caralho e pra boceta: mas leiam Swift integral, e não semidesnatado...

IJS

sexta-feira, dezembro 08, 2017

LIBERDADE, AMOR E ZONA

*
O país onde a liberdade é só uma puta duma estátua erguendo uma tocha em gesto triunfal é o país com a maior população carcerária do planeta, e com uma sociedade escravizada pela exploração do trabalho, e pelo consumismo como ideal de felicidade.

O país onde o amor é só uma puta duma estátua dum puto dum cristo de braços enganosamente abertos (fugido da cruz?) é o país que tem o maior cultivo organizado de ódio no planeta, e que se deixa escravizar de bom grado por aquele país daquela pretensa liberdade.

Meu país é minha zona. Minha bagunça é meu crime organizado, minha oração não tem sujeito nem objeto nem porra de deus onipotente e onipresente e onisciente nenhum: uma consciência não surge do nada: ela é forçada a se formar, e as consciências humanas soem ser e haver-se imperfeitas, irregulares, deformadas, em estado de calamidade. Quem não é e quem não há de?

Portanto foda-se. Bem vindo(a) à minha zona: estou pouco me fodendo e louco me ofendendo, pouco a tampouco, e você pode ficar, ir à merda, ou nem fazer o que tiver mesmo vontade.

ijs

segunda-feira, dezembro 04, 2017

BOSSACRIFÍCIO

[num cio de dois poemas por segundo instinto:]

nunca enterre o poema
na cova rasa
da piada pronta

devidamente morta
a poesia
não merece cova
com menos
de sete pelouros
de profundidade

seja a favor
ou seja
contra


ijs

sábado, dezembro 02, 2017

"A minha vida foi uma arma pronta"

Emily Dickinson

A minha vida foi uma arma pronta
Na esquina, até que um dia
O dono veio—identificou,
E me levou da via.

E agora andamos soberanos bosques,
E agora temos caça e pesca—
E sempre que eu falo por ele
Montanhas logo se interessam.

E que sorriso o meu, a luz cordial
Rebrilha sobre o vale—
É qual uma covinha no Vesúvio
Surgindo nesta face.

E quando à noite, findo o dia,
A meu mestre faço guarda,
Melhor isso é que ter compartilhado
A mais funda almofada.

Dos seus imigos sou a imiga,
Não há segunda vez
Àquele em quem boto olho torto
Ou polegar veemente.

Mesmo que eu viva por mais tempo,
Vive ele mais do que eu,
Pois só domino a arte de matar—
Sem o poder de morrer.

vb:ijs

quinta-feira, novembro 30, 2017

VIRANDO A QUADRA DO ÓDIO

*
eu resolvi sentir o ódio
só pra saber o que o outro sente:
senti somente outro episódio
do que sem ti ficou minha mente

ijs

quarta-feira, novembro 29, 2017

"A Bíblia é um volume arcaico"

Emily Dickinson (1830-86)

A BÍBLIA é um volume arcaico
Escrito por sumidos homens,
Por sugestão de Espectros Santos—
Assuntos—Belém—
Éden—a velha Herdade—
Satã—o Brigadeiro,
Judas—o grande Infrator,
Davi—o Trovador.
Pecado—um distinto Abismo
Que os outros têm que evitar,
Garotos que "acreditam"
São muito solitários—
E outros estão "perdidos."
Tivesse um Cantador a estória
Viria toda a garotada—
O sermão de Orfeu absorvia,
Não condenava.

[vb:ijs]
__

THE BIBLE is an antique volume
Written by faded men,
At the suggestion of Holy Spectres—
Subjects—Bethlehem—
Eden—the ancient Homestead—
Satan—the Brigadier,
Judas—the great Defaulter,
David—the Troubadour.
Sin—a distinguished Precipice
Others must resist,
Boys that “believe”
Are very lonesome—
Other boys are “lost.”
Had but the tale a warbling Teller
All the boys would come—
Orpheus’ sermon captivated,
It did not condemn.

terça-feira, novembro 21, 2017

DESENCARGO DE INCONSCIÊNCIA

[pra ninguém em particular]

a gente era o casal que dançava colado na cozinha
eu sempre na casa dela: ela, na minha

mesmo em galinheiro cheio nunca tinha rinha:
eu olhava as outras porém me continha

o final da história foi um verso ímpar

sei que minha barra jamais voltará a ser limpa
mas se é triste é alegre porque foi supimpa

ijs

segunda-feira, outubro 30, 2017

UM POEMA PARA UMA PROFESSORA

(para ela que sabe que é ela mesma)


Gostaria de nunca escrever um acróstico.

Ler nunca foi a minha praia deserta.

Aliás, acho que já fiz uns acrósticos.

Um dia eu li um livro inteiro numa tarde.

Caraca! É horrível usar gíria importada...

Ivans são sempre complicadinhos de lidar.

Acho melhor parar por aqui, já deu pra cabeça...

]
ijs

sexta-feira, outubro 06, 2017

O AMOR DE SEMPRE

*
O amor de sempre prossegue crescendo.
Vai ocupando todos os espaços.
Os pés levam as mãos até os abraços.
O peito arfando, o coração batendo.

Por onde eu ando eu sigo a tua pista.
Não sei por que é que eu faço isso de novo.
Eu tenho mais tentáculos que um polvo
Mas só você me faz malabarista.

Tal sentimento, se elevado ao cubo,
Trastejaria qualquer ser humano.
Dentro de ti só floresço e sucumbo

Como a criança que cresce ano a ano.
Se você for a louca eu sou o louco
E a eternidade assim pode ser pouco...


ijs & Chico "Capetão" Cardoso
Bar do Torto, 5 de outubro de 2017.

quinta-feira, outubro 05, 2017

MINHA BALA É MINHA CLAVA

Minha bala é minha clava
E ela se chama palavra:

Palavrão para os pudicos
Se atocha no cu dos ricos
E em rabos de tiriricos
Essa clava também lava:

A chama que arde em fuxicos
Santa Joana já espalhava:

Minha bala é minha clava
E ela se chama palavra.

ijs

segunda-feira, outubro 02, 2017

FODA-SE, SOCIEDADE CAGADA...

Foda-se, sociedade cagada, que valoriza músculos em vez de raciocínios, que sabe uma titica e arrota o que nunca vai saber, que se deixa levar pelas ondas de momento, que só age infantilizada ou em pânico, que sempre reage mal, que sempre leva a mal, que se rende à lei do menor esforço porque combina preguiça com incapacidade e estupidez com quem se esforça.

Foda-se, sociedade cagada, que adora ser enganada, que entra várias vezes na fila para ser manipulada, que repete opiniões e pretensas ideias (no fundo ódios), que sofre mas aceita e admira ídolos vazios e falsos, que não reconhece ou mal e porcamente entende seus supremos artistas, que sustenta luxos grotescos de medíocres divinizados, sociedade antissocial que não se reconhece.

Sim: foda-se, sociedade Caliban, gosma monstruosa que ao se olhar no espelho foge correndo com raiva e incompreensão.

Foda-se várias, inúmeras, infinitas vezes, até a geração que conseguir sobreviver neste meio social apodrecido, fedorento, corrompido, bajulador, poluído e poluente: o lixo é menos tóxico que essa pretensa gente.

ijs

quinta-feira, setembro 28, 2017

AMOR É POLÍTICA

O Paraná é atualmente um estado lastimável.
Mas minha amada quem sabe esteja em estado interessante.

Curitiba é atualmente uma cidade excludente.
Mas minha amada talvez nunca tenha dor de dente.

Minha amada não é bem minha: é antes dela mesma.

Já a cidade é dos vampiros, e o estado, dos exploradores,
dos linchadores, dos corruptores, traidores, hipócritas
sacripantas complacentes mentirosos

Minha querida Curitiba: meu caro Paraná:
vocês atualmente não valem a sujeira do ânus
que eu lavo pra que minha amada
sinta apenas
o meu cheirinho
de piá fedido e suarento.

Com todo o alento.

ijs

quarta-feira, setembro 20, 2017

Anúncio de antiga boa nova, dedicado pra você

(naquela expectativa jamais frustrada...)

charada que se desenigma,
o amor eterno máximo anarquista
passa mais sutil que os passarinhos

ele é protopunk e come flores
mas quando ela a misteriosa vem
junto essa coisa até que se complica

um bardo sempre mal disfarça as cores
e as dores óbvias gritam mudas sem
poder atrapalhar a trapalhada-zona-zica

e um dia um casal sempre se encontra
mesmo há dez milhões de anos atrás

mesmo com um mundo tolo todo contra
e com tudo entre tanto toda via ou mas


ijs [pra ...]

quinta-feira, setembro 14, 2017

INVERNO ESTIVAL

('estival' significa "relativo ao verão", mas guglem assim mesmo)

O inverno nem acabou:
o inferno mau começou:
o inferno mal iniciou:
o tolo sequer estudou.

A temperatura é insana:
me gamo na mina bacana:
me dá gana ser Santana:
aí lembro que sim eu soul:
ânimo que a mina minou:
bagana de aminoácido
clássico e plácido e flácido
no almoço do fim da semana:

hare hare grana grana
ironia já pode dar cana

ijs